Pular para o conteúdo principal

>> Destino: Ouro Preto

A palavra viagem abrange diversos sentidos. Transportar-se é um deles. Transportar-se para outro lugar, outro contexto, outra cultura. Viajar para Ouro Preto, em Minas Gerais, foi isso. Um belo transportar-se. Aliás, foi além. Foi um abrir de janelas para um universo, antes, apenas imaginado por meio das histórias contadas nos livros, mas desconhecido no seu caráter intrínseco e verdadeiro.
Conhecer Ouro Preto - um pedacinho dela - Foi uma aventura incrível. Memorável. Estar ali. Caminhar sem pressa. Esquecer da vida por algumas horas. A cidade carrega em cada canto de suas ruas de paralelepípedo, em cada ladeira, em cada igreja e sua arquitetura, as marcas de um passado complexo. Um passado de riquezas e tristezas. De ganância e escravidão. De conflitos. De lutas por liberdade.
Na senzala, impossível não se sensibilizar, mesmo depois de tanto tempo. Instrumentos de variados tipos submetiam os escravos a uma forma de existência brutal. Estavam condenados àquela condição. No interior da Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar, características marcantes da sociedade e dos artistas da época. Incrivelmente ornamentada com folhas de ouro e prata. Anjos e arcanjos cuidadosamente esculpidos. Em cada imagem, um significado. No acervo do Museu de Arte Sacra do Pilar, entre outras, obras do grande nome do barroco mineiro Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. 
Vila Rica foi se construindo sob enormes jazidas de ouro, exploração e muita dor. Tornou-se Ouro Preto. Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. Na Praça Tiradentes, o pretérito faz-se presente por um instante. É o guia turístico narrando a história. “Roubaram a cabeça de Tiradentes”, conta, sobre o mártir da inconfidência. Os pés ficam no chão. A imaginação, agarrada às asas do tempo, viaja três séculos atrás. As imagens, as cenas dos acontecimentos se apresentam. Homens, mulheres e crianças. Escravos e senhores. Ricos e pobres misturam-se involuntariamente. Povoam as ruas. Carregam suas cruzes.
Foram dias pluviais. Mas, como disse o grande poeta,  Fernando Pessoa, os dias de chuva são tão bonitos quanto os dias de sol, cada um à sua maneira. E o dia em Ouro Preto foi realmente belo, pois, a seu modo, aquelas chuvinhas atrevidas fizeram-se eternas na brevidade que lhes cabia. E por falar em poesia, nada poderia ser mais poético na viagem do que um passeio de Trem. Cinquenta minutos é o tempo de duração do trajeto – de Ouro Preto a Mariana. Da janela, uma vista deslumbrante. Verdes e imensas montanhas. Lindas cachoeiras. Natureza em sua mais pura essência.
Mas, como na vida tudo passa, a viagem chegou ao fim. Nas fotografias cheias de paisagens, amigos e sorrisos, os recortes de momentos que jamais se repetirão. Ainda que outras viagens ao mesmo lugar aconteçam. A grandeza da vida se dá justamente nesse caráter singular de ser. Cada cena é única. Cada experiência é enriquecedora. E o que resta no final? Lembranças. Sim. Boas lembranças. Uma forma imaterial de transportar-nos e conceber um novo universo.

Comentários

  1. Também visitei Ouro Preto e Mariana, e me apaixonei...
    Você escreve maravilhosamente bem. Gostei muito. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente apaixonante, Ianê, inesquecível. Obrigada. Bjs.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…