Pular para o conteúdo principal

Da infância querida

          Já faz muitos anos. Mas ainda me lembro daquelas manhãs de junho. Uma brisa suave, com o frescor de uma vida boa, passeava sobre os jardins floridos. Levava com ela as delicadas gotas de orvalho que cobriam as pétalas das rosas, que enfeitavam aquele lugar. Todos os dias aquela brisa me encontrava pelo caminho. Cantava-me uma canção graciosa e iluminada e preenchia meu interior.
          Era a natureza se fazendo presente em cada minuto do dia. Este, serenamente nascia, cumpria seu papel e trazia com ele, ao final da tarde, uma visão espetacular. Um verdadeiro milagre. Definitivamente, não eram fins de tarde comuns. Era como se o horizonte fosse um belo quadro. Uma pintura viva. O sol caía lentamente como se soubesse que havia uma plateia o admirando. Parecia-me algo tão próximo. Confesso que tinha vontade de sair correndo ao seu encontro. Sim, na minha ingenuidade de criança, acreditava que poderia tocar o horizonte.
          Hoje sei que não posso. Tudo o que me cabe é alegrar-me por, pelo menos, ter o privilégio de contemplá-lo. Orgulhar-me em sentir que sou parte deste cenário encantador. Desta vida. E, ainda que muitas vezes os meus olhos vejam distorcidas as paisagens, ainda que meus conflitos internos e externos, ao qual estou sujeita a cada dia, não me deixem ver a beleza e a brevidade desses momentos, o horizonte continua lá. Lindo como um milagre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…

Maria e José

Por Sueli Melo

Ele nasceu primeiro. Maria, dois anos depois. Os pais de José não o quiseram, deram-no aos tios. Maria era a antepenúltima dentre mais de dez irmãos. Pois é, o tempo passou e um dia, os destinos de Maria e José se cruzaram. José tinha olhos verdes e acesos. Os de Maria eram castanhos e meigos. Ambos repletos de sonhos. Os sonhos ingênuos refletidos nos olhos de qualquer adolescente de qualquer tempo. Casaram. Ela contava então com dezesseis anos e ele com dezoito. Ele queria ser cantor. O violão sempre fora seu amigo mais leal. Nas noites enluaradas entoava as modas que lhe alegravam o espírito. Maria queria conhecer o mundo. Gostava de ler, dançar, viver. Eles tiveram sete filhos, mas eles são outra história. Esta é a de Maria e José.
  Maria criou os filhos praticamente sozinha. Trabalhava dia após dia para que não faltasse nada em casa. Empreendedora nata, fazia render, de forma criativa, qualquer quantia de dinheiro que lhe caísse nas mãos. Durante um tempo chegou a…