Pular para o conteúdo principal

>> Destino: Ouro Preto

A palavra viagem abrange diversos sentidos. Transportar-se é um deles. Transportar-se para outro lugar, outro contexto, outra cultura. Viajar para Ouro Preto, em Minas Gerais, foi isso. Um belo transportar-se. Aliás, foi além. Foi um abrir de janelas para um universo, antes, apenas imaginado por meio das histórias contadas nos livros, mas desconhecido no seu caráter intrínseco e verdadeiro.
Conhecer Ouro Preto - um pedacinho dela - Foi uma aventura incrível. Memorável. Estar ali. Caminhar sem pressa. Esquecer da vida por algumas horas. A cidade carrega em cada canto de suas ruas de paralelepípedo, em cada ladeira, em cada igreja e sua arquitetura, as marcas de um passado complexo. Um passado de riquezas e tristezas. De ganância e escravidão. De conflitos. De lutas por liberdade.
Na senzala, impossível não se sensibilizar, mesmo depois de tanto tempo. Instrumentos de variados tipos submetiam os escravos a uma forma de existência brutal. Estavam condenados àquela condição. No interior da Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar, características marcantes da sociedade e dos artistas da época. Incrivelmente ornamentada com folhas de ouro e prata. Anjos e arcanjos cuidadosamente esculpidos. Em cada imagem, um significado. No acervo do Museu de Arte Sacra do Pilar, entre outras, obras do grande nome do barroco mineiro Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. 
Vila Rica foi se construindo sob enormes jazidas de ouro, exploração e muita dor. Tornou-se Ouro Preto. Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. Na Praça Tiradentes, o pretérito faz-se presente por um instante. É o guia turístico narrando a história. “Roubaram a cabeça de Tiradentes”, conta, sobre o mártir da inconfidência. Os pés ficam no chão. A imaginação, agarrada às asas do tempo, viaja três séculos atrás. As imagens, as cenas dos acontecimentos se apresentam. Homens, mulheres e crianças. Escravos e senhores. Ricos e pobres misturam-se involuntariamente. Povoam as ruas. Carregam suas cruzes.
Foram dias pluviais. Mas, como disse o grande poeta,  Fernando Pessoa, os dias de chuva são tão bonitos quanto os dias de sol, cada um à sua maneira. E o dia em Ouro Preto foi realmente belo, pois, a seu modo, aquelas chuvinhas atrevidas fizeram-se eternas na brevidade que lhes cabia. E por falar em poesia, nada poderia ser mais poético na viagem do que um passeio de Trem. Cinquenta minutos é o tempo de duração do trajeto – de Ouro Preto a Mariana. Da janela, uma vista deslumbrante. Verdes e imensas montanhas. Lindas cachoeiras. Natureza em sua mais pura essência.
Mas, como na vida tudo passa, a viagem chegou ao fim. Nas fotografias cheias de paisagens, amigos e sorrisos, os recortes de momentos que jamais se repetirão. Ainda que outras viagens ao mesmo lugar aconteçam. A grandeza da vida se dá justamente nesse caráter singular de ser. Cada cena é única. Cada experiência é enriquecedora. E o que resta no final? Lembranças. Sim. Boas lembranças. Uma forma imaterial de transportar-nos e conceber um novo universo.

Comentários

  1. Também visitei Ouro Preto e Mariana, e me apaixonei...
    Você escreve maravilhosamente bem. Gostei muito. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente apaixonante, Ianê, inesquecível. Obrigada. Bjs.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Maria e José

Por Sueli Melo

Ele nasceu primeiro. Maria, dois anos depois. Os pais de José não o quiseram, deram-no aos tios. Maria era a antepenúltima dentre mais de dez irmãos. Pois é, o tempo passou e um dia, os destinos de Maria e José se cruzaram. José tinha olhos verdes e acesos. Os de Maria eram castanhos e meigos. Ambos repletos de sonhos. Os sonhos ingênuos refletidos nos olhos de qualquer adolescente de qualquer tempo. Casaram. Ela contava então com dezesseis anos e ele com dezoito. Ele queria ser cantor. O violão sempre fora seu amigo mais leal. Nas noites enluaradas entoava as modas que lhe alegravam o espírito. Maria queria conhecer o mundo. Gostava de ler, dançar, viver. Eles tiveram sete filhos, mas eles são outra história. Esta é a de Maria e José.
  Maria criou os filhos praticamente sozinha. Trabalhava dia após dia para que não faltasse nada em casa. Empreendedora nata, fazia render, de forma criativa, qualquer quantia de dinheiro que lhe caísse nas mãos. Durante um tempo chegou a…

Se eu morrer antes de você...

Se eu morrer antes de você...
Se eu morrer antes de você, faça-me um favor: chore o quanto quiser, mas não brigue comigo. Se não quiser chorar, não chore. Se não conseguir chorar, não se preocupe. Se tiver vontade de rir, ria. Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão. Se me elogiarem demais, corrija o exagero. Se me criticarem demais, defenda-me.  Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam. Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo... E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase: -"Foi meu amigo, acreditou em mim e sempre me quis por perto!" Aí, então derrame uma lágrima. Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal. Outros amigos farão isso no meu lugar. Gostaria de dizer para você …

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo