Pular para o conteúdo principal

Crepúsculo de outros tempos

Antes era a imaturidade.
A doce ignorância.
O não saber, 

Por ainda não ser o tempo de saber.

Antes era a beleza,
O sorriso aberto,
Sem a máscara,

Sem a prisão.

Tempo brincar, 
De sonhar. 

Antes eram tantos mundos,

Tantas viagens,
Tantos heróis e vilões pelos caminhos
Da fértil imaginação.


O
 horizonte parecia estar tão perto.
Ao alcance das mãos.

Antes era a felicidade plena,
 
Sem algemas,
Sem preço,
Sem segredos relevantes.

Antes o medo era apenas do escuro.
E a maldade só existia nos contos de fadas.


Mas eis que chega a realidade.

Assim, num fechar e abrir de olhos.
Com ela, o fim da inocência. 
O mal está em toda parte.

Os dias passam sem piedade,
Mas também com muita graça.

Sim, apesar de tudo.

Lembranças passeiam nos labirintos
De meus pensamentos.

Misturando-se ao presente
Tão certo 
e
A dias vindouros que não os são. 
Não sei se chegarão.

Mas o que importa tudo isso?
Qual o sentido de minhas palavras?


O mundo gira sem parar, 
Independentemente de meu existir
E da dor que carrego
Por ser o que sou: humana,
Errante.

No final das contas,
A vida é uma grande e perfeita

Obra poética. 
Poesia viva.
Em prosa e versos,
Sorrisos e lágrimas,
Poesia que pulsa
E, por vezes, sangra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…