Pular para o conteúdo principal

Só para dizer que te amo!


Num fim de tarde de uma tarde de cor laranja, 
Entre lágrimas, muitas lágrimas, disse adeus e parti.
Distante de você muita saudade senti.
Mesmo triste sabia que tinha de seguir,
Encontrar meu caminho,
Meu segundo lugar no mundo
O primeiro, bem sei, é o seu coração. 

É o seu colo de mãe.
Mas você me deu asas e me disse:
- Voe alto, minha filha!
Oh, Deus! Se existe oração mais linda, ainda não ouvi.
E eu voei, voei, voei. 
Ainda estou voando.
Muitas vezes, fraquejei, sofri, chorei,
Perdi as asas, caí, espatifei-me no chão.
Nesses momentos, porém, me lembrava de você.
Da força que carrega na alma.
Dos conselhos feitos de sábias palavras.
Dos olhos de anjo a me guardar mesmo de longe.
Da leveza do toque de suas mãos.
Do cuidado e do sorriso iluminado.
Então, ganhava as alturas outra vez.
Hoje, neste dia especial, o que posso dizer que você ainda não sabe?
Que queria lhe dar o mundo,
Mas só tenho um coração?
Que queria lhe dar a luz das estrelas,
E tenho apenas um par de olhos bem pequenos?
Ok, está dito.
Posso acrescentar ainda que,
Se isso não for o bastante, também tenho
Para você o meu riso, os meus braços abertos, o meu abraço,
O meu carinho e gratidão, a minha saudade,
A lembrança mais bonita, os meus versos,
O meu amor eterno.

Obrigada, minha mãezinha querida, te amo para sempre!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Dar à luz um poema

As entranhas em ebulição.
Caneta, papel, teclas
ao alcance das mãos.
O poema quer nascer.
Quer conhecer o mundo,
Ver as estrelas, o mar,
A vida externa.
Já não cabe dentro da alma.
Quer voar, pousar na flor,
Tal qual borboleta
ou colibri apaixonado,
quer beijar...
Mesmo que seja a tez do word.
Oh, sim!
Como virá à tona não lhe é importante,
se da tinta de uma caneta
ou das teclas de um computador.
Nascer é só o que ele quer.
E ser livre,
ser amor, ser dor,
ser protesto, resistência.
ser esperança.
ser sonho, ser possível.
Realizar-se poesia.
Ser, simplesmente.

Tic-tac, tic-tac, tic-tac...

Pronto, nasceu.
Libertou-se, bateu asas.
Pousou sutil, leve como a brisa
num diário solitário.
No olhar de alguém
do outro lado da tela, do outro lado do oceano.
Olhos cintilaram.
Corações foram tocados.
Um novo universo surgiu.
O poema está em festa,
Viverá.