Pular para o conteúdo principal

Palavras

Quando eu era criança adorava ler. O porquê eu não sabia, mas adorava. O problema é que onde eu nasci tudo era muito precário. E eu só pude ler três livrinhos da escola. E eu me lembro de cada um deles. Das cores, dos desenhos, até do cheiro que eles tinham. Mas o que me encantava mesmo eram as palavras. Ah, aquelas palavras eram apaixonantes, preenchiam-me de uma forma, que até hoje, não consigo explicar. Simplesmente sinto.

Meus irmãos dizem que eu quase não falava. Minha mãe achava que eu era surda, porque às vezes ela me chamava e eu não a ouvia. Descobri muito tempo depois que, na verdade, eu vivia em um mundo a parte. Um mundinho só meu. Cheio de letrinhas que formavam palavras que eu queria entender.

Muito antes dos dez anos, eu já admirava as estrelas. Deixava-me entorpecer pelo laranja que coloria o horizonte, quando a tarde caía. Passava horas no jardim que minha mãe cultivava do lado direito da nossa casa. Ficava alí com meus pensamentos infantis.

Eu tentava achar palavras para expressar tudo aquilo que acontecia dentro de mim. Não encontrava. Mas meu peito explodia numa alegria que eu não entendia, só sentia. Como não tinha mais livros, pedia a meu pai para escrever as letras das músicas que ele ouvia. Só para ter as palavras por perto. Tinha fome de palavras. Fome de versos, já os conhecia. Fazia sentido para mim, embora eu não soubesse o significado disso. Era muito bom sentir o que eu sentia.

A vida, no entanto, tem planos nem sempre tão poéticos. E minha leitura, todo aquele sentir-me, meus livros de infância se resumiram naqueles três. Durante um bom tempo, o meu universo cheio de palavrinhas ficara para trás. Foram tantos os motivos. Falta de recursos, trabalho, falta de incentivo. Abriu-se um abismo entre nós – entre mim e as palavras.


Queria falar, escrever, cantar sobre as coisas que vivia. Mas as palavras não me vinham como gostaria. Isso me entristecia. Mas no fundo sentia que algum dia íamos estar juntas outra vez. Demorou. Mas aconteceu. Estamos em um momento de reconciliação. Vou me agarrar nas suas asas e nunca mais deixá-las escapar de mim. Tudo isso, só para dizer que meu universo se traduz em verso. Em prosa. Em palavras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…

Maria e José

Por Sueli Melo

Ele nasceu primeiro. Maria, dois anos depois. Os pais de José não o quiseram, deram-no aos tios. Maria era a antepenúltima dentre mais de dez irmãos. Pois é, o tempo passou e um dia, os destinos de Maria e José se cruzaram. José tinha olhos verdes e acesos. Os de Maria eram castanhos e meigos. Ambos repletos de sonhos. Os sonhos ingênuos refletidos nos olhos de qualquer adolescente de qualquer tempo. Casaram. Ela contava então com dezesseis anos e ele com dezoito. Ele queria ser cantor. O violão sempre fora seu amigo mais leal. Nas noites enluaradas entoava as modas que lhe alegravam o espírito. Maria queria conhecer o mundo. Gostava de ler, dançar, viver. Eles tiveram sete filhos, mas eles são outra história. Esta é a de Maria e José.
  Maria criou os filhos praticamente sozinha. Trabalhava dia após dia para que não faltasse nada em casa. Empreendedora nata, fazia render, de forma criativa, qualquer quantia de dinheiro que lhe caísse nas mãos. Durante um tempo chegou a…