Pular para o conteúdo principal

¡Mira niño!


-->

¡Mira niño! Eleva tus ojos al cielo. Ve este azul. Ve que paz él  transmite. ¡Mira! Mira las estrellas, ellas te miran también, quieren jugar, quieren ver tu sonrisa más sincera, quieren verte muy feliz. Sueña niño. Cree que tu vida es un paraiso. No te pongas enfadado ni por un segundo, mientras eres niño, no hay tiempo para esto ahora. No te dejes salir de tus ojos esta luz tan intensa. No te olvides nunca de este momento. Lo eterniza en tu corazón.


Mira niño, es la vida presente aquí. Cada minuto no se habrá repitido. Todo cambia. Todo es pasagero. Desea, pida al universo y él te concederá todo lo que quieras. Llena tu alma, niño. Cubrete de amor, forma parte de todo. Dona, reciba. Esta es la vida. Tal vez no te puedas entenderla, o talvez tu, que todavia no ha maculado los pensamientos con idéas negativas y profanas con la soberbia, sea lo que la conoce bien. Porque absorve de ella, la magia, la fantasia, la belleza de cada instante. Puede ser que te pierdas por el camino, que es largo y mucho poco seguro. Todavia, sí hubieres guardado dentro de ti fragmentos de cada buen momento que te has presenciado, nada que habrá venido lo habrá lastimado.


¡Mira niño, es la vida! No corras, también no te quedes parado. Sigue tranquilo, anda en el compase del tiempo. Y cuando no seas más niño, sino un hombre, te acordate de que la magia nunca muere. Ella viverá para siempre en tus ojos. Y aunque hubiere transformadote en viejo, todavía continuarás con estes ojos de niño, viendo la vida como si tuviera siempre estellas a tu alrededor. Porque se dicen que los ojos son las ventanas del alma y esta jamás envejece.         


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…

Maria e José

Por Sueli Melo

Ele nasceu primeiro. Maria, dois anos depois. Os pais de José não o quiseram, deram-no aos tios. Maria era a antepenúltima dentre mais de dez irmãos. Pois é, o tempo passou e um dia, os destinos de Maria e José se cruzaram. José tinha olhos verdes e acesos. Os de Maria eram castanhos e meigos. Ambos repletos de sonhos. Os sonhos ingênuos refletidos nos olhos de qualquer adolescente de qualquer tempo. Casaram. Ela contava então com dezesseis anos e ele com dezoito. Ele queria ser cantor. O violão sempre fora seu amigo mais leal. Nas noites enluaradas entoava as modas que lhe alegravam o espírito. Maria queria conhecer o mundo. Gostava de ler, dançar, viver. Eles tiveram sete filhos, mas eles são outra história. Esta é a de Maria e José.
  Maria criou os filhos praticamente sozinha. Trabalhava dia após dia para que não faltasse nada em casa. Empreendedora nata, fazia render, de forma criativa, qualquer quantia de dinheiro que lhe caísse nas mãos. Durante um tempo chegou a…