Pular para o conteúdo principal

A prática do verbo amar

 
-->
       Será que realmente sabemos o verdadeiro significado do verbo amar? Ou será que somos seres presos a emoções irreais apenas para não vivermos em vão? Será que amar é abrir mão de viver a própria vida em favor de outra pessoa? Será que podemos chamar de amor sentimentos que levam um individuo a querer a morte se esse não for correspondido? 
         
O que é certo é que tudo em nossa existência é um grande ponto de interrogação. Somos especiais porque raciocinamos, porque nos inquietamos, porque somos imperfeitos? Somos especiais porque sentimos amor, raiva, alegria, tristeza? Talvez. Ou talvez especiais sejam os animais irracionais que não precisam se questionar sobre suas ações e reações. Eles simplesmente seguem seus instintos, sem culpa, sem dor, sem medo.

        Será que praticamos o verbo amar? Será que estamos dispostos a doar sem a pretensão de receber na mesma proporção? De nos entregar ao outro ou a causas diversas sem esperar nada em troca? Talvez, em vez de ficarmos o tempo todo tentando encontrar respostas para tudo o ideal fosse nos entregarmos de corpo e alma à vida e seus mistérios. É impossível passar ileso poe ela. Ninguém é inescapável de nada.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Dar à luz um poema

As entranhas em ebulição.
Caneta, papel, teclas
ao alcance das mãos.
O poema quer nascer.
Quer conhecer o mundo,
Ver as estrelas, o mar,
A vida externa.
Já não cabe dentro da alma.
Quer voar, pousar na flor,
Tal qual borboleta
ou colibri apaixonado,
quer beijar...
Mesmo que seja a tez do word.
Oh, sim!
Como virá à tona não lhe é importante,
se da tinta de uma caneta
ou das teclas de um computador.
Nascer é só o que ele quer.
E ser livre,
ser amor, ser dor,
ser protesto, resistência.
ser esperança.
ser sonho, ser possível.
Realizar-se poesia.
Ser, simplesmente.

Tic-tac, tic-tac, tic-tac...

Pronto, nasceu.
Libertou-se, bateu asas.
Pousou sutil, leve como a brisa
num diário solitário.
No olhar de alguém
do outro lado da tela, do outro lado do oceano.
Olhos cintilaram.
Corações foram tocados.
Um novo universo surgiu.
O poema está em festa,
Viverá.