Às vezes o que resta é saudade

Era um tempo bom.
Tínhamos nos pequenos olhos
a alegria das chegadas.
A cada manhã, um novo dia.
Leve, único, eterno.
Mas a vida também é feita de partidas.
E foram tantos olhos molhados.
E tantos corações partidos
por adeuses tão doloridos...
Aprendemos: viver é movimento,
passar é preciso
e ninguém está isento disto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maria e José

É preciso insistir - sempre

Adeus, João de Deus