Pular para o conteúdo principal

Meu poema estará na Antologia "Além da Terra, Além do Céu", da Chiado Editora

Meu poema "Asas do tempo" foi selecionado para a Antologia de Poesia Paulista "Além da Terra, além do Céu", projeto da Chiado Editora que homenageia o grande poeta Carlos Drummond Andrade.
O Lançamento da obra, em São Paulo, ocorrerá em outubro (data ainda será definida).
O poema do Drummond: Além da Terra, Além do Céu
"Além da terra, além do céu
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastros dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fudamental essencial
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar
o verbo pluriamar,
razão de ser e viver."

Comentários

  1. Eu Maurício Pereira da Silva, também tive a felicidade de ter um soneto meu, selecionado para esta importante obra, o nome do soneto é: "FLORESTA PINTADA" Estou ansioso esperando a data do lançamento em São Paulo. Abraços à todos!

    ResponderExcluir
  2. Eu Maurício Pereira da Silva, também tive a felicidade de ter um soneto meu, selecionado para esta importante obra, o nome do soneto é: "FLORESTA PINTADA" Estou ansioso esperando a data do lançamento em São Paulo. Abraços à todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maurício! Parabéns! também estou ansiosa para o lançamento! Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Dar à luz um poema

As entranhas em ebulição.
Caneta, papel, teclas
ao alcance das mãos.
O poema quer nascer.
Quer conhecer o mundo,
Ver as estrelas, o mar,
A vida externa.
Já não cabe dentro da alma.
Quer voar, pousar na flor,
Tal qual borboleta
ou colibri apaixonado,
quer beijar...
Mesmo que seja a tez do word.
Oh, sim!
Como virá à tona não lhe é importante,
se da tinta de uma caneta
ou das teclas de um computador.
Nascer é só o que ele quer.
E ser livre,
ser amor, ser dor,
ser protesto, resistência.
ser esperança.
ser sonho, ser possível.
Realizar-se poesia.
Ser, simplesmente.

Tic-tac, tic-tac, tic-tac...

Pronto, nasceu.
Libertou-se, bateu asas.
Pousou sutil, leve como a brisa
num diário solitário.
No olhar de alguém
do outro lado da tela, do outro lado do oceano.
Olhos cintilaram.
Corações foram tocados.
Um novo universo surgiu.
O poema está em festa,
Viverá.