Pular para o conteúdo principal

Que dia!

Segunda-feira, seis hora da tarde, uma tempestade exageradamente furiosa cai sobre a cidade. Carros vão e vem e nesse ir e vir vão espirrando água suja da rua nas pessoas que sofridamente aguardam o seu ônibus, que as levará para casa. O ônibus chega, está lotado. Um cverto tumulto toma conta do local, por alguns segundos; depois de muito 'empurra-empurra', metade das pessoas presentes conseguem entrar no veículo.
O ônibus que já chegou abarrotado, agora com os novos passageiros ficou diícil até para respirar. A situação é tão crítica que, se um indivíduo destento, por algum motivo, tira o pé do lugar, já não terá mais onde acomodá-lo, pois outro pé estará habitando o espaço. Para piorar, todas as janelas estão fechadas. Assim, a paisagem interior compõe-se da seguinte maneira: vidros embaçados, rostos cansados, cabelos arrepiados e roupas molhadas. Odores dos mais variados começam a surgir e o ônibus não sai do lugar, não é o farol, é o trãnsito; emdias de chuva, a cidade alaga, as avenidas param e o povo padece. De um lado uma criança chora desesperadamente, a qual a mãe tenta em vão, acalmá-la, ela está inconsolável. Do outro um idoso reclama que um jovem lhe roubou o lugar reservado á sua condição. O acusado finge que dorme. Ao fundo, alheios à tempestade e ao sofrimento de muitos, três adolescentes que tiveram a sorte de sentar brincam e riem como se no mundo não hovesse problemas.  Embora seja desgastante, todos já estão acostumados a essa vida. É só mais um dia de chuva, na manhã seguinte a jornada recomeça outra vez; quiçá seja um dia um pouco mais leve e o ônibus não esteja tão cheio. Mas se não tiver, não faz mal, faz parte da vida. O povo é forte, o povo aguenta, o povo, a pesar de tudo, é feliz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sorria, meu bem

Complexos, contraditórios, errantes. Difícil chegarmos a um entendimento real sobre o que somos de verdade. O segredo da vida? Talvez nem exista. Se existe, talvez nunca desvendaremos. Não sabemos ao certo o que há nos bastidores de nossa existência. Isto é certo. Por isso, temos que tentar fazer da vida uma inesquecível viagem em busca de tudo que nos alegra a alma.

Então, quando o mundo lhe parecer cruel, sorria. Sorrir é o melhor remédio para curar nossas mazelas. Sorrir é abrir-se para novas possibilidades. Sorria, não para esconder-se, mas para mostrar-se. Não para fugir da realidade, mas para encará-la de frente. Não para fingir felicidade, mas para atraí-la. Sorrisos encantam. Despertam paixões. Desarmam. Tente sorrir, mesmo quando a vontade de chorar for maior, mesmo quando o coração ficar pequeno e apertado dentro do peito. Saiba que tem sempre alguém precisando de um sorriso seu.

Não seria justo, no entanto, querermos que todos os dias, todas as pessoas se sentissem felizes e …

Maria e José

Por Sueli Melo

Ele nasceu primeiro. Maria, dois anos depois. Os pais de José não o quiseram, deram-no aos tios. Maria era a antepenúltima dentre mais de dez irmãos. Pois é, o tempo passou e um dia, os destinos de Maria e José se cruzaram. José tinha olhos verdes e acesos. Os de Maria eram castanhos e meigos. Ambos repletos de sonhos. Os sonhos ingênuos refletidos nos olhos de qualquer adolescente de qualquer tempo. Casaram. Ela contava então com dezesseis anos e ele com dezoito. Ele queria ser cantor. O violão sempre fora seu amigo mais leal. Nas noites enluaradas entoava as modas que lhe alegravam o espírito. Maria queria conhecer o mundo. Gostava de ler, dançar, viver. Eles tiveram sete filhos, mas eles são outra história. Esta é a de Maria e José.
  Maria criou os filhos praticamente sozinha. Trabalhava dia após dia para que não faltasse nada em casa. Empreendedora nata, fazia render, de forma criativa, qualquer quantia de dinheiro que lhe caísse nas mãos. Durante um tempo chegou a…

Se eu morrer antes de você...

Se eu morrer antes de você...
Se eu morrer antes de você, faça-me um favor: chore o quanto quiser, mas não brigue comigo. Se não quiser chorar, não chore. Se não conseguir chorar, não se preocupe. Se tiver vontade de rir, ria. Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão. Se me elogiarem demais, corrija o exagero. Se me criticarem demais, defenda-me.  Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam. Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo... E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase: -"Foi meu amigo, acreditou em mim e sempre me quis por perto!" Aí, então derrame uma lágrima. Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal. Outros amigos farão isso no meu lugar. Gostaria de dizer para você …