Pular para o conteúdo principal

A essência e a superficialidade


          Quando falamos em manifestações culturais, a primeira coisa que nos vem à mente é um conjunto de imagens coloridas, que nos remete à comemoração, alegria, diversão, confraternização. Contudo, esses valores que cada sociedade carrega de geração em geração, vem sendo modificados ao longo do tempo, em nome do consumo exagerado. Basta nos sentarmos diante da televisão, que lá está; Compre! É o presente de Natal, a roupa do ano Novo, os apetrechos da Festa Junina e assim por diante.
         As belas propagandas, que conotam uma festa, uma comemoração mais feliz caso o indivíduo adquira determinado produto, são infalíveis; muitas vezes até o menos influenciáveis se deixam afetar por tais artifícios. Mas, por que sucumbimos à indústria cultural? Por que valorizamos tanto o supérfluo? Na essência, Natal é sinônimo de renascimento; enquanto o Ano novo, trás esperança de tempos melhores aos corações humanos. Infelizmente no contexto atual, essa pureza, tão importante para nossa vida, acaba sendo só mais um detalhe.   
         Talvez por estarmos constantemente buscando respostas e significados para a nossa existência, acabamos nos confundindo; e ao invés de preservarmos os valores aprendidos ao longo da vida, vamos os descontruindo pouco a pouco.  Muitas vezes de forma até inconsciente, somos dominados por aqueles, que detém maior conhecimento. Estes usam o poder para transformar o genuíno em artificial, a beleza em futilidade.
        Embora, as manifestações festivas, sejam fundamentais para transcendermos, muitas vezes, não conseguimos nos atentar à sua verdadeira riqueza. Bom seria se não perdêssemos o prazer de saborear sem outra finalidade que não a imaterial, as fogueiras ao som de uma quadrilha animada na noite de São João. Se pudéssemos passar o Natal e Ano novo sem que a maior preocupação fosse a troca de presentes ou a diversidade de comida, respectivamente. Tudo isso seria possível, não fosse a cruel, necessária, mas, capitalista realidade em que vivemos.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…

Maria e José

Por Sueli Melo

Ele nasceu primeiro. Maria, dois anos depois. Os pais de José não o quiseram, deram-no aos tios. Maria era a antepenúltima dentre mais de dez irmãos. Pois é, o tempo passou e um dia, os destinos de Maria e José se cruzaram. José tinha olhos verdes e acesos. Os de Maria eram castanhos e meigos. Ambos repletos de sonhos. Os sonhos ingênuos refletidos nos olhos de qualquer adolescente de qualquer tempo. Casaram. Ela contava então com dezesseis anos e ele com dezoito. Ele queria ser cantor. O violão sempre fora seu amigo mais leal. Nas noites enluaradas entoava as modas que lhe alegravam o espírito. Maria queria conhecer o mundo. Gostava de ler, dançar, viver. Eles tiveram sete filhos, mas eles são outra história. Esta é a de Maria e José.
  Maria criou os filhos praticamente sozinha. Trabalhava dia após dia para que não faltasse nada em casa. Empreendedora nata, fazia render, de forma criativa, qualquer quantia de dinheiro que lhe caísse nas mãos. Durante um tempo chegou a…