Pular para o conteúdo principal

Verbalizando os sentimentos




Amo a vida, com sua simplicidade e sua complexidade Gosto da liberdade e de sonhar. 
Gosto do entardecer, quando os raios de sol vão se apagando lentamente, deixando o céu de várias cores numa bela aquarela crepuscular. 
Encantam-me as estrelas que nascem com o anoitecer, e cintilam no infinito, para que a escuridão não me abraçe. 
Ainda me alegram as mesmas coisas que me alegravam em outros tempos - (infância)-, mas agora com uma sabor especial. 
Gosto da natureza e de seus incríveis poderes em nossas vidas. 
Encantam-me a poesia e a música, elas me proporcionam imensa felicidade. 
Gosto de ver as pessoas sorrindo, mas não é sempre que tenho o prazer de retribuir um sorriso com sincera alegria, nem elas a mim. 
Entristece-me a violência, a guerra, a mentira e a falsidade. Não me agrada, as pessoas preguiçosas, as hipócritas então... Encantam-me, também, as estações do ano; cada uma delas tem sua beleza. 
Amo minha família, meus amigos, meus amores e todos que fazem parte da minha vida e que de alguma forma me faz ser melhor a cada dia. 
Encanta-me viver e, ainda que algumas vezes o desencanto roube o brilho dos meus olhos, ainda assim seguirei buscando em cada amanhecer, razões para ser feliz. 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Dar à luz um poema

As entranhas em ebulição.
Caneta, papel, teclas
ao alcance das mãos.
O poema quer nascer.
Quer conhecer o mundo,
Ver as estrelas, o mar,
A vida externa.
Já não cabe dentro da alma.
Quer voar, pousar na flor,
Tal qual borboleta
ou colibri apaixonado,
quer beijar...
Mesmo que seja a tez do word.
Oh, sim!
Como virá à tona não lhe é importante,
se da tinta de uma caneta
ou das teclas de um computador.
Nascer é só o que ele quer.
E ser livre,
ser amor, ser dor,
ser protesto, resistência.
ser esperança.
ser sonho, ser possível.
Realizar-se poesia.
Ser, simplesmente.

Tic-tac, tic-tac, tic-tac...

Pronto, nasceu.
Libertou-se, bateu asas.
Pousou sutil, leve como a brisa
num diário solitário.
No olhar de alguém
do outro lado da tela, do outro lado do oceano.
Olhos cintilaram.
Corações foram tocados.
Um novo universo surgiu.
O poema está em festa,
Viverá.