As máquinas não podem sentir

As relações humanas, diante da complexidade que as envolve, estão em constante contradição, devido à individualidade de cada um. O autoconhecimento e a capacidade de entender o outro são fundamentais para uma convivência saudável. Mas nem sempre esse entendimento é possível. Afinal, no mundo moderno no qual tudo é instantâneo, não há tempo para grandes reflexões. 
                                                 
Entre razão e emoção o homem se divide. Esquece, porém, de buscar o equilíbrio e, de alguma forma, acaba dominado por um destes sentimentos, o que lhe causa profundo mal. Dinheiro e poder dificilmente andam juntos com amizade e afeto. No primeiro caso, muitas vezes, estão as prioridades. No segundo, cujos benefícios são imprescindíveis para uma existência mais feliz, ficam em segundo plano. 
       
Identificadas como as "vilãs" deste século, a ansiedade e a depressão atingem milhões de pessoas em todo o planeta. Doenças graves, consequências de uma vida atribulada, superficial e muitas vezes vazia. Não se pode viver sozinho, isolado, sem amigos ou exageradamente cheio deles, dos quais na maioria das vezes não se sabe sequer os nomes reais. É o que acontece nas grandes redes sociais espalhadas internet a fora.
      
Não há problemas, contudo, em se relacionar virtualmente com pessoas de outros estados ou países, pelo contrario, conhecer outras culturas é sempre muito enriquecedor. O perigo é quando o universo de determinado indivíduo passa a girar em torno apenas de uma máquina e dos "amigos" que se faz por meio dela.
      
Cumplicidade e confiança devem fazer parte do processo de crescimento do ser humano. Isso significa que para se construir um sentimento verdadeiro, ainda que contraditório, há que se conhecer um ao outro. Só a partir de então se compartilha as experiências, de certa forma, reais. 

Como alcançar tal propósito ao longo da vida, se não por meio do contato direto entre as pessoas. Onde se nasce, se pratica a reciprocidade e se morre, se não na bela e crua realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maria e José

É preciso insistir - sempre

Adeus, João de Deus