Consumo: Vontade própria ou influência midiática

Todos os dias somos bombardeados através do mais variados meios de comunicação, com comerciais que nos levam a crer que os produtos oferecidos são indispensáveis para nossa vida. São celulares, sapatos, roupas de todas as marcas e modelos, tintas de cabelo entre outros; eles procuram vender a ideia de que seremos mais felizes usando tais produtos. 

A persuasão midiática é infalível, não demora muito e lá estamos sucumbidos pelo desejo de consumo. São tantas imagens belas, tantos sorrisos, tanta alegria, que é quase impossível não se render. 

Contudo, não podemos chamar isso de alienação, já que na maioria das vezes, se não todas somos praticamente empurrados para o consumismo. Por exemplo, uma calça que foi moda na última estação, se for usada por uma pessoas um ano depois, esta não se sentirá à vontade, estará completamente fora de contexto, sentirá até rejeição por parte dos próprios colegas que convive. 

As indústrias obriga-nos a consumir o que eles produzem, querendo ou não. É como se tudo fosse descartável, inclusive o que ouvimos, o que comemos; e isso acaba afetando profundamente, nossa maneira de agir. Quem é que quer ser ridicularizado por não estar de acordo coma roupa, o sapato e até o cabelo do momento? Com certeza ninguém. 

Somos constantemente forçados a viver como os mercados querem; por mais que sejamos contra ou tentemos fugir disso, às vezes parece impossível, porque há sempre aqueles que controlam. 

Entretanto, podemos ser mais moderados, nos libertar ainda que com dificuldade desse mundo consumista; existem várias maneiras de se fazer isso; não se vendendo, não se iludindo com imagens tentadoras, não exagerando, Já que tudo é tão perecível; é possível ser feliz consumindo apenas o essencial.

Comentários

  1. tudo isso e verdade mas quem decide ou não ser influenciados somos nos.mas como saber e o que decidimos tambem não e influenci de outra pessoa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Maria e José

É preciso insistir - sempre

Adeus, João de Deus