Pular para o conteúdo principal

Buena vista social club

Um belo documentário sobre os grandes nomes da música cubana. O Buena Vista Social Club, era um clube de atividades musicais, onde estes artístas de encontravam para tocar e cantar na década de 40.

Pelas ruas de Havana, entre pessoas ou em suas casas, com seus instrumentos e sem a juventude de outrora, eles contaram suas histórias de vida e como se iniciaram na música. A maioria começou ainda criança.

Ry cooder grande musico e produtor americano juntou-se a Ibrahim ferrer, compay segundo, Omara portuondo, a única mulher do grupo, entre outros artistas, já quase esquecidos naquele País, e juntos gravaram um CD, com suas belíssimas musicas e ainda se apresentaram em Amsterdan e Nova York.

Em 1998, alguns destes tradicionais artistas já haviam deixado de praticar suas artes, como próprio cantor Ibrahim ferrer e o pianista Rubén González. Eles se diziam desiludidos, talvez por acreditarem que nada mais de interessante lhes pudesse acontecer em ralação a música e a tudo que viveram, mas eles estavam enganados o projeto "Buena Vista Social Club", proporcionou muita alegria e emoção para suas almas e para todos que puderam vê-los e ouví-los. Eu recomendo!

Li Melo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Dar à luz um poema

As entranhas em ebulição.
Caneta, papel, teclas
ao alcance das mãos.
O poema quer nascer.
Quer conhecer o mundo,
Ver as estrelas, o mar,
A vida externa.
Já não cabe dentro da alma.
Quer voar, pousar na flor,
Tal qual borboleta
ou colibri apaixonado,
quer beijar...
Mesmo que seja a tez do word.
Oh, sim!
Como virá à tona não lhe é importante,
se da tinta de uma caneta
ou das teclas de um computador.
Nascer é só o que ele quer.
E ser livre,
ser amor, ser dor,
ser protesto, resistência.
ser esperança.
ser sonho, ser possível.
Realizar-se poesia.
Ser, simplesmente.

Tic-tac, tic-tac, tic-tac...

Pronto, nasceu.
Libertou-se, bateu asas.
Pousou sutil, leve como a brisa
num diário solitário.
No olhar de alguém
do outro lado da tela, do outro lado do oceano.
Olhos cintilaram.
Corações foram tocados.
Um novo universo surgiu.
O poema está em festa,
Viverá.