Pular para o conteúdo principal

O dia do índio

Hoje é dia do índio. Vamos viajar no tempo e relembrar os nossos índios, aqueles que viviam da caça e da pesca, que viviam em contato direto com a natureza, e assim eram felizes pois aquilo era tudo que conheciam. Mas quando, através dos portugueses conheceram um outro universo, repleto de belezas artificiais, se perderam por elas, não souberam recenhecer a verdadeira beleza que os cercavam, foram seduzidos, por espelhos, por pulseiras, roupas, e aí toda a magia da ingenuidade de um povo se foi. Assim é a natureza, tudo é belo até ser explorado, tudo é belo até que o homem ponha toda sua ganância e perversidade em prática, apartir desse momento, tudo muda, mas o que seria do mundo se não fossem as mudanças? Se os portugueses não tivessem chegado ao Brasil, como estaríamos hoje? Será que seriam todos Índios ainda? Será que estas terras, a fauna e a flora estaríam preservadas? Quem sabe? O que sabemos é que dessa mistura entre a pureza do indio e o conhecimento do homem branco. Nasceram os filhos dos filhoas desta terra. nós.

Li Melo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Despertar das borboletas

Coração te viu há um tempão,
mas a princípio sentiu nada, não.
Um dia, como outro
qualquer no mundo,
mergulhou nos olhos teus...
E naquela cena de segundos,
percebeu que havia algo ali,
até então desconhecido...
E foi assim, com aceleradas
e ruidosas batidas, no cantinho
esquerdo do peito,
pela alegria da descoberta,
que ele despertou aquelas
preguiçosas borboletas,
há muito tempo dentro
de mim adormecidas.

s.melo

O mundo é uma janela

O mundo é uma janela...
cada um vê a vida
por meio dela.
Tem gente que
a mantêm fechada,
tem gente que
a deixa sempre aberta...
Simplesmente porque
não quer perder
nenhum segundo
das vezes em que ela é
incrivelmente bela.

s.melo

Não me deixe só (apelo à poesia)

Muitas vezes guardo o choro e a dor.
Não desejo revelá-los, pertencem a mim.
Não interessam a mais ninguém.
Só os entrego à poesia.
Somente ela me conhece verdadeiramente.
Como explicaria o que se passa por dentro?
São tantas incertezas, descaminhos, pedregulhos.
Ela me entende e serena minh'alma.
Mas eu não preciso entendê-la, apenas senti-la.
Viver entre seus versos. E ela em mim.
Este é o nosso pacto.
Não me deixe só neste mundo de hipocrisias.
Neste mundo de mentiras e injustiças.
Sabe de minhas fraquezas, de minhas tristezas,
de meus ais.
Sabe que sou parte disso, mas nisso não quero pensar.
Sabe também que tenho no peito um músculo,
que bate involuntariamente e que é frágil e inconstante.
Não o fiz assim. Ele é assim.
Daria a vida para tê-lo mais forte, decidido.
E que não sentisse tanto. Impossível.
Quem sabe noutra existência?
Há tantas estrelas por aí, mas por ora tenho de ficar aqui.
Oh, Deus, por que pessoas pisam nos corações umas das outras?
Não pisam apenas. Sapatei…